Globalização e urbanização.



Filed under : ASSUNTOS DO DIA


Estamos vivendo uma nova etapa do desenvolvimento urbano, tendo por um lado a globalização e de outro a concentração humana nas cidades,que tem desencadeado tanto aspectos positivos como negativos. Quando falamos em concentração humana, sempre levamos em consideração os aspectos que passam tanto pela questão dos bens, como também serviços e até oportunidades oferecidas as pessoas. Apesar da concentração do contingente humano, o que observamos muitas vezes é que esse fenômeno tem contribuído para desestimular determinadas tradições que foram cultuadas através do tempo, bem como enfraquecer os laços que uniam as pessoas. Existe nesse fenômeno do desenvolvimento e crescimento econômico, um paradoxo apresentado pelos efeitos perigosos de um processo de marginalização. Trocando em miúdos, quem mora na periferia das cidades, praticamente fica excluído não só do mercado formal de trabalho, mas, sobretudo da própria cidadania e cultura da sua cidade, também conhecidos pela categoria de marginalizados. Não é só a extensão territorial que contribui para a exclusão, mas também o próprio modelo de crescimento de uma cidade. Quando isso acontece, percebemos um desequilíbrio que chega a comprometer a própria qualidade de vida. Por um lado a insegurança se alastra e de outro o acesso ao atendimento de saúde fica comprometido. Aquelas cidades que se preocuparam em elaborar planos de médio e longo prazo para o enfrentamento dos complexos desafios da globalização e urbanização, bem elas poderão se adaptar as mudanças sem traumas e sem sobressaltos. Certa vez entrevistado em nosso programa de rádio, o geógrafo Milton Santos afirmou: “Centros urbanos modernos não destroem a experiência humana. O que a destrói é a civilização que adotamos.”

Feed RSS para comentários sobre este post. TrackBack URI

Leave a reply